MATLAB Support Package for Raspberry Pi Hardware

MATLAB® Support Package for Raspberry Pi™ Hardware enables you to communicate with a Raspberry Pi remotely from a computer running MATLAB. You can acquire data from sensors and imaging devices connected to the Raspberry Pi and process them in MATLAB. You can also communicate to other hardware through the GPIO, serial, I2C, and SPI pins.

Fonte e mais detalhes aqui

ThingSpeak

Send sensor data to the cloud: There are sensors all around—in our homes, smart phones, automobiles, city infrastructure, and industrial equipment. Sensors detect and measure information on all sorts of things like temperature, humidity, and pressure. And they communicate that data in some form, such as a numerical value or electrical signal.

Analyze and visualize your data: Storing data in the cloud provides easy access to your data. Using online analytical tools, you can explore and visualize data. You can discover relationships, patterns, and trends in data. You can calculate new data. And you can visualize it in plots, charts, and gauges.

Trigger a reaction: Acting on data could be something as simple receiving a tweet when the temperature you are measuring goes above 70° F. Or you could set up a more intricate action such as turning on a motor when the water level in your water tank drops below a specified limit. You can even remotely control devices, such as battery-operated door locks, using the TalkBack app.

Fonte e mais detalhes aqui

Support for Windows on Intel Galileo

Support for Windows on Intel Galileo Gen 1 and Gen 2 has ended on November 30, 2015

As we continue to focus on providing a great experience for Makers with Windows 10 IoT Core, we’ve made the difficult decision to discontinue Windows support on the Galileo platform. We’ve seen some fantastic innovation with the platform, but unfortunately, it does not meet the minimum hardware requirements for Windows 10 IoT Core. Please click here to learn more.

Fonte e mais detalhes aqui

Suse Studio

Everywhere? Yes, everywhere. In the cloud, on a server, on a live CD. With SUSE Studio you can build it from your browser in just a few clicks. You can export your custom operating system as a Virtual machine, Live USB Disk, CD/DVD-ROM, Hard Disk Image and so much more. You can even apply your own branding to what you create!

Fonte e mais detalhes aqui

GPIO: RASPBERRY PI

One powerful feature of the Raspberry Pi is the row of GPIO (general purpose input/output) pins along the edge of the board, next to the yellow video out socket. These pins are a physical interface between the Pi and the outside world. At the simplest level, you can think of them as switches that you can turn on or off (input) or that the Pi can turn on or off (output). Seventeen of the 26 pins are GPIO pins; the others are power or ground pins.

Fonte e mais detalhes aqui

Conheça 10 aplicativos para criar videoaulas

Muitos professores querem inovar seus métodos de ensino e pensam em aderir a algumas tendências, como a videoaula. No entanto, alguns acabam desistindo dessas ideias por não saber como colocá-las em prática. Este é o seu caso? Conheça, então, 10 aplicativos que permitem que você crie videoaulas de forma prática.

Fonte e mais detalhes aqui

Como instalar o Android no PC

Mesmo com as diversas opções de execução ou espelhamento do Android no PC Windows ou no Mac OS, uma instalação limpa do sistema com programas como o VirtualBox é sempre mais simples e prática. Fazendo desse jeito você pode até mesmo usar o hardware do PC, dentro do Android (Bluetooth, USB e outros). Veja como usar a máquina virtual para ter o sistema operacional móvel no seu computador. No passo a passo abaixo, aprenda como instalar o Android no PC; tutorial definitivo.

Fonte e mais detalhes aqui

Como usar o BlueStacks

O BlueStacks é um programa que permite visualizar aplicativos nativos de celulares no computador. O recurso foi utilizado por muitos usuários para ter acesso ao WhatsApp pelo PC, antes de ser lançada a versão web do mensageiro. Mas além disso, ele permite que diversos aplicativos móveis sejam utilizados de forma simples no desktop. Para ajudar, veja neste tutorial como usar as funcionalidades do BlueStacks.

Fonte e mais detalhes aqui

Raspberry Pi Zero: 3 Projectos Gaming

RaspZeroGamingCapa

Tal como demos a conhecer aqui, foi apresentado um novo membro da família Raspberry, que tem como características principais o tamanho reduzido, o aumento de capacidade de processamento (em comparação com a geração anterior) e obviamente o seu custo ainda mais baixo.

Hoje trazemos alguns projectos que aplicam o Raspberry Pi ao mundo dos videojogos.

Fonte e mais detalhes aqui.

Apple II

O Apple II foi um modelo de computador fabricado pela Apple Inc. no final da década de 1970. O primeiro Apple II foi vendido em 10 de Junho de 1977, equipado com um processador MOS Technology 6502 com um clock de 1 MHz, 4 kB de memória RAM, um interface para fitas cassetes de áudio e uma ROM que incluía um interpretador de BASIC. O controlador de vídeo apresentava 24 linhas com 40 colunas de carateres (apenas letras maiúsculas), com saída NTSC para um monitor ou, através de um modulador RF, para uma televisão. Os utilizadores podiam gravar e carregar os programas a partir de um gravador de cassetes áudio. O preço de venda variava entre USD $1.298,00 (com 4 kB RAM) e USD $ 2.638,00 (com 48 kB RAM).

Fonte e mais detalhes aqui

Pinguino: GoGo Board como Arduino – IV

Para utilizarmos o botão presente na placa e acionarmos o led, deveremos declarar os pinos desta forma:

const int buttonPin = 22; // the number of the pushbutton pin
const int ledPin = 21; // the number of the LED pin

Após a compilação do programa e sua gravação na placa, ao pressionarmos o botão, o led acenderá.

Pinguino: GoGo Board como Arduino – III

 

Existem uma diferença na nomenclatura dos pinos, conforme poderá ser visualizado aqui. Desta forma, para acender o led ligado ao pino 19 do microcontrolador, na programação deverá ser utilizado o valor “Pin name” na tabela fornecida pela Pinguino, assim o valor utilizado deverá ser o 21, desta forma:

setup(){
pinMode(21,OUTPUT); //define saída.
}

loop(){
digitalWrite(21,HIGH); //coloca sinal em nível alto
}

Pinguino: GoGo Board como Arduino – II

Após a instalação do firmware Pinguino compatível, através de um gravador próprio do microcontrolador,  o hardware GoGo Board 4.0, poderá ser programado através da IDE Pinguino ou Pinguino Kit.

Será preciso conhecer o hardware utilizado, por exemplo, verificando os pinos e funções disponíveis para programação. Para a Br-GoGo, o diagrama elétrico poderá ser encontrado aqui, o qual será similar para a GoGo Real. Para a GoGo Board, o diagrama elétrico poderá ser obtido aqui.

 

Pinguino: GoGo Board como Arduino

Assim como algumas versões da Pinguino, a GoGo Board 4.0 e seus projetos afiliados, Br-GoGo e GoGo Real, o microcontrolador utilizado é o PIC 18F4550.

Desta forma, sugerimos a instalação do firmware Pinguino compatível com este sistema, para assim explorarmos novas formas de programação, similares ao Arduino, aos programadores que desejam mais liberdade e interação mais profunda com o hardware, sem recorrer à linguagem C nativa do PIC ou dos comiladores proprietários.

Pinguino: Programando PIC como Arduino

No Brasil uma das linhas de microcontroladores mais utilizada é a PIC, da Microchip, ensinada em cursos técnicos, profissionalizantes e de graduação nas áreas de eletrônica e automação. Um de seus maiores representantes é o modelo PIC18F4550, caracterizado por uma arquitetura RISC de 8 bits com USB integrado, dentre muitas coisas mais.

Fonte e mais detalhes aqui.